Débora Camillo é candidata à prefeitura de Santos do PSOL

Débora Camilo é singular, mas suas lutas são plurais. Como o mundo que ela enxerga, suas batalhas são diversas. Débora é do PSOL e está na luta por uma sociedade justa e igualitária!

[Nessas eleições, não vote na legenda. Vote nos candidatos e candidatas do PSOL a vereador/a em sua cidade]
Início | Novidades |

Nessas eleições, não vote na legenda. Vote nos candidatos e candidatas do PSOL a vereador/a em sua cidade

O PSOL se notabilizou por, nos processos eleitorais, receber muitos votos na “legenda” proporcional: aquele tipo de voto que é dado para todo o partido, e não diretamente para os candidatos a vereador, deputado estadual ou federal.

Muitas pessoas se acostumaram a votar 50 para os cargos majoritários, como prefeito, governador e presidente, e também 50 para os proporcionais, como forma de manifestar o apreço ideológico pelo partido.

Porém, nessas eleições, precisamos pedir: não vote mais na legenda do PSOL. Vote diretamente em nossos candidatos e candidatas e vereador/a em sua cidade. Entenda:

Minirreforma eleitoral

Isso acontece por conta da minirreforma eleitoral aprovada no Congresso Nacional – aquela feita a mando de Eduardo Cunha, que tira a obrigatoriedade de nosso partido ser chamado para os debates de TV e delega apenas cerca de 10 segundos para os programas televisivos e de rádio.

Ela também definiu que, agora, para eleger vereadores, não basta que a chapa de candidatos proporcionais atinja o chamado quociente eleitoral – aquele número que representa a quantidade necessária de votos para conseguir uma vaga na Câmara de Vereadores.

Além disso, agora os candidatos proporcionais também devem obter pelo menos 10% desse quociente para serem eleitos. Ou seja, pode acontecer que nossa chapa de vereadores atinja o quociente, mas mesmo assim não tenha nenhum eleito. E mais: caso isso aconteça, nossos votos seriam “redistribuídos” para as chapas mais votadas – em geral as dos grandes partidos, os mais financiados e com apreço ideológico. Estranho, não?

Um exemplo: nas eleições municipais de 2012, em São Paulo, a chapa do PSOL obteve 119.792 votos, e o quociente ficou em 103.843. Nosso partido conseguiu eleger Toninho Vespoli, atual vereador do partido na capital paulista e candidato à reeleição.

Porém, se a atual regra estivesse valendo na época, o PSOL não teria eleito nenhum vereador. Toninho teve 8.722 votos, menos do que os 10% que valem atualmente.

Por isso, ajude a fortalecer o PSOL e a política com coerência, ética e independência. Vote 50 para prefeito ou prefeita de sua cidade, mas busque informações sobre os nossos candidatos e candidatas a vereador e vereadora, escolha um/a e vote 50 + os três números de sua candidatura.

Fonte: PSOL Nacional

Rodapé

[Voltar ao topo]